Lá se pensam, cá se fazem.

“Conhece o teu Vizinho”

Segundo Aristóteles, só através da vivência com os seus semelhantes é que o homem atingirá a sua excelência intelectual e moral. “[...] o homem é por natureza [...] [um] animal social, [...] que tem o dom da fala. [...] Mas a fala tem a finalidade de indicar o conveniente e o nocivo, e portanto também o justo e o injusto; a característica específica do homem em comparação com os outros animais é que somente ele tem o sentimento do bem e do mal, do justo e do injusto e de outras qualidades morais, e é a comunidade de seres com tal sentimento que constitui a família e a cidade”(ARISTÓTELES, 1997, p. 15, Política 1252b). Ao contrário dos animais, o homem é um “animal social” e a sua felicidade depende da comunidade onde se insere.  “Vemos que toda cidade é uma espécie de comunidade, e toda a comunidade se forma com vista a algum bem, pois todas as ações de todos os homens são praticadas com vista ao que lhes parece um bem” (ARISTÓTELES, 1997, p. 13, Política 1252a). No entanto, segundo o estudo “Rede Social do Porto – Relatório de Pré-Diagnóstico” (2008), coordenado por Isabel Matins, que consta nos arquivos da Câmara Municipal do Porto, a evolução demográfica das cidades, e da cidade do Porto em particular, é marcada pelos fenómenos do acentuado envelhecimento da população bem como pela desagregação cada vez mais frequente do núcleo familiar. Como resultado, constata-se um forte pendor social para o isolamento, individualismo e etnocentrismo. O diálogo entre “vizinhos” – indivíduos que moram próximos uns dos outros, que se vêem todos os dias no mesmo café ou padaria, que pertencem ao mesmo habitat social – pode e deve desempenhar um papel crucial na reaproximação das pessoas em meio urbano e na reintegração de casos de isolamento. “Conhece o teu Vizinho” é um projecto de inclusão social e sem fins lucrativos, constituído por um grupo de promotores, que visa fomentar e fortalecer as dinâmicas social e cultural de um espaço urbano  (rua ou bairro) e aprofundar as relações interpessoais dos seus habitantes. Deste modo pretende-se combater o isolamento social  presente nos meios urbanos e criar um sentido de entreajuda e solidariedade social “activa” entre vizinhos, isto é, redes de proximidade e vizinhança. Pretende-se que "a vizinhança" crie laços sociais semelhantes aos das aldeias, nas quais as pessoas se conhecem, se entreajudam e intervêm de forma mais ativa no espaço habitacional onde vivem. No fundo, desenvolver interacções mais fáceis, naturais e oportunas. Uma vez gerados laços de amizade entre vizinhos, assegura-se a médio/longo prazo os alicerces de uma “família social”. O projecto “Conhece o teu Vizinho” funcionará a um nível “simbiótico”, garantindo que as interacções que ocorram sejam mutuamente vantajosas para as partes envolventes. Espera-se por fim que a partir dessa estrutura orgânica nasça uma participação voluntária e pró-activa da população residente a cada nova intervenção gerada pela equipa.  

Tatiana Nunes Trindade

Visionário
Berlim, Alemanha

Pedro Trindade

Comunicador
Porto, Portugal

Ana Maria Braga

Facilitador
Guimarães, Portugal

Patrícia Alexandra Braga

Facilitador
Guimarães, Portugal

Sara Pinto

Facilitador
Porto, Portugal

Comentários