Lá se pensam, cá se fazem.

Cuidar + é um projeto que pretende cuidar mais e melhor da população idosa.

Segundo o INE, o número de pessoas com 65 ou mais anos duplicou entre 1960 e 2004. Neste momento esta faixa etária representa já 20% da população portuguesa e apresenta tendência para aumentar. O INE refere ainda que cerca de 60% da população idosa vive só ou em companhia exclusiva de pessoas também idosas. Perante o envelhecimento progressivo da população, a sociedade civil e o Estado tiveram que se organizar e criar condições para acolher o número crescente de idosos e promover a qualidade de vida. Na Portaria nº 38/2013 de 30 de janeiro é referido "As diferentes alterações que se têm verificado na sociedade atual, sobretudo ao nível da organização familiar e da solidariedade intergeracional e social, conduzem um grande número de pessoas, em situação de dependência, a procurar no serviço de apoio domiciliário resposta para as suas necessidades básicas e ou instrumentais da vida diária.". Ainda nesta portaria é referido que o Serviço de Apoio Domiciliário deve reunir condições para prestar, pelo menos, quatro dos seguintes cuidados e serviços: a) Cuidados de higiene e conforto pessoal; b) Higiene habitacional, estritamente necessária à natureza dos cuidados prestados; c) Fornecimento e apoio nas refeições, respeitando as dietas com prescrição médica; d) Tratamento da roupa do uso pessoal do utente; e) Atividades de animação e socialização, designadamente, animação, lazer, cultura, aquisição de bens e géneros alimentícios, pagamento de serviços, deslocação a entidades da comunidade; f) Serviço de teleassistência. A satisfação do idoso face ao seu meio ambiente residencial encontra-se intensamente ligada ao seu bem-estar psicológico. De acordo com estudos realizados por este autor (1991), os idosos que residem em casa mostram ser os mais activos, optimistas e com mais vontade de viver. O desinvestimento dos estados europeus nos serviços prestados à população, o desemprego e a mobilização de pessoas mais jovens para outras zonas geográficas, e a diminuição do valor pago pelas reformas têm trazido nos últimos anos problemas muito graves de solidão e de doença. De acordo com estudos de Lopes (2004), as populações mais idosas de zonas rurais demonstram necessidades básicas não satisfeitas, como a ausência de respostas sociais adequadas às necessidades e aos recursos destas populações. Estes estudos alertam para o encerramento dos postos de saúde, a diminuição dos meios de transporte e as dificuldades económicas que se aliam às já fragilizadas condições do idoso. Por outro lado, existem cada vez menos respostas para a população mais jovem, principalmente onde a permanência dos mais idosos é também mais difícil (nas zonas rurais). As populações mais jovens deslocalizam-se para zonas mais urbanas e emigram. O que pretende com o projeto Cuidar+ é implementar serviços de apoio ao domicílio que permitam aos idosos (principalmente de zonas rurais) uma vida plena de saúde (bem-estar físico, mental e social). Worobey JL, Angel RJ. (1991) Functional capacity and living arrangements of unmarried elderly persons, Journal of Gerontologia, Social Sciences, nº 45 pp 595-601. Lopes, P. A. P. L. (2004).Qualidade de vida e suporte social do idoso no meio rural e no meio urbano: um Estudo comparativo e correlacional.Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada (Dissertação de Mestrado).

Rui Cardoso

Visionário
Praia, Cabo Verde

Adília Isabel Domingues da Cru Alves

Facilitador
Bragança, Portugal

Reis Lima Quarteu

Comunicador
Bragança, Portugal

Comentários